quarta-feira, 4 de maio de 2011

tenho saudade...


Tenho saudade…
Saudade do tempo do pé descalço
Tenho saudade
Do cheiro da chuva no alcatrão
Tenho saudade
Da gente que aprendera a lidar com o percalço
Dos que lidavam bem com a palavra “não”


Tenho saudade…
Saudade do feno e da terra cavada
Tenho saudade
Do verão quente e dos sonhos impossíveis de alcançar
Tenho saudade
Da gente que sorria debruçada na enxada
Do naco de broa, na algibeira, a sossegar


Tenho saudade…
Saudade de amar e ser amado
Tenho saudade
Dos sorrisos fáceis e descomprometidos
Tenho saudade
Da gente simples que guiava o arado
Das crenças e dos contos outrora lidos


Tenho saudade!

4 comentários:

inesgaivota disse...

Poderia ter sido eu a escrever, mas não fui....

Cumplicidades e empatias...

Saudades....muitas e sempre!

@ Ruiva disse...

Saudade uma palavrinha de sete letras tão constante... Simplesmente belo!

Jorge A. Roque disse...

Pois...um texto que é mesmo só para quem vive o que escreve de forma única. Eu não poderia ter escrito. Mas que gostava, gostava.

Eduardo disse...

Obrigado Jorge... é bom ouvir essas palavras, especialmente vindas de alguém com um blogue tão bom!!!