quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

sede...


Spa Flute Music with Water Sound by Musica Reiki on Grooveshark


Sede de água ou... de poder. estados momentâneos apenas sossegados pela consumação da posse mas, efémera é esta mesma satisfação!
sede de poder ou... de água. dizimada ao primeiro trago e rapidamente esquecida por sobreposição da ideia de alcance do  patamar acima, onde cuja sede será maior!

Porque não contentarmo-nos com o tangível?
.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Márcia e JP Simões...

.
a pele que há em mim...

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Antigamente, em 2011

.
Fernando Alves fez uns Sinais especiais para o Fórum TSF de hoje:
.
.

Feliz Natal

O Come All Ye Faithful by Jackie Evancho on Grooveshark



quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Infectious Happiness of the Day

De repente, numa composição do metro de Berlim, uma passageira desata a rir, aparentemente por algo que viu ou leu no seu smatphone... Em muito pouco tempo toda a carruagem está a rir a bandeiras despregadas sem sequer saber porquê... Quem não deve ter achado piada alguma deve ter sido o passageiro que entra a meio. Um pouco que presunçosamente, parece achar que todos se riem dele!
.

.

de ouro


O Ti Joaquim e a Tia Rosa, meus queridos Pais, festejaram ontem cinquenta anos de casados... houve festa, risos, abraços, lágrimas, etc... eu também contribuí:

Há sempre um dia
um momento na vida em que
ainda que nos sintamos crianças
acabamos por perceber
que o tempo passa
que nos leva com ele
e nos enche de lembranças…

é então aí,
nesse dia
momento irritante
nesse mesmo instante
De confrontação com o real
que nos assoma o capital
de vivências passadas
e olhamos
e sorrimos
e choramos
e admitimos que
se lembramos
é porque sentimos
porque vivemos
porque vós:
Mãe,
Pai
Vos destes a nós…

Foi há cinquenta anos…
Eu não me lembro.
Foi pelos vistos, em Dezembro…
Que o rapaz pobre,
o Joaquim
Coração nobre, nada ruim
Arrebatou o coração de Rosa
Por versos ou prosa
Lá a levou ao altar
O que não imaginavam aí
Era que de lá até aqui
Nove filhos teriam para criar…

Mãe… Rosa…
Mãe… minha Mãe
Nossa Mãe,
Sabes…
Hoje pus-me a pensar
E quando dei por mim
Era de novo gaiato
Nada pacato
mas voltei a sentir
como se estivesses ali e retrocedêssemos no tempo
que me limpavas a cara suja na circunstância
com as pontas dos dedos untadas em saliva
e caminhávamos ambos ao som do vento
na nossa tosca elegância
íamos ao campo
a masseiras ou ao Suzano
fosse eu ou qualquer mano
tu eras só vaidade
com os filhos em redor
alimentados a amor
criados na verdade
na tolerância
na adversidade
sem abundância…
a não ser de amor e carinho…
Trabalho e pés ao caminho!

Pai… Joaquim…
Pai… meu Pai
Nosso Pai.
Sabes…
Ainda hoje há sentidos que guardo
Dos tempos de outrora
Quando todos nós,
Desde o Berto à Aurora
Te esperávamos na estrada
Ao fim da jornada
E aquele pedaço de broa
que no baú trazias de volta
era por todos disputado
e não era por certo à toa
que o não tinhas devorado
na hora da merenda
e o trazias no baú
como uma prenda.
Sabes Pai…
Por mais distante que pareça
Ainda hoje me lembro
De como punhas na cabeça
A boina, ao mais pequeno!

Mãe… Pai…
Rosa… Joaquim…
Nossos Pais,
Nossos queridos Pais.
Cinquenta anos metidos no bolso…
Cinquenta anos honrados hoje por nós,
Os vossos filhos e, vocês sabem
Não só os que cá estão…
A festa hoje é para vós
Pois assumimos aqui que jamais
Conhecereis a solidão
Cinquenta anos de uma vida que construístes
Que educastes,
Que conduzistes…
E onde nada mais interessa
Para lá da felicidade
Da justiça
Da verdade…

Parabéns Mãe
Parabéns Pai
Parabéns a vocês…
E obrigado!
.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

um mundo na mão

Sul, Norte, Campo, Cidade by Sérgio Godinho on Grooveshark

o mar,
a igreja, 
a destilaria...
e o farol.
um mundo inteiro!
.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Sempre ausente, por António Variações.

No YouTube há um comentário que merece honras de reprodução aqui:

"Um grandioso hino para todos os que recusam a mediocridade de não terem personalidade própria. Malucos são os alienados que se limitam a nadar na corrente como cagalhões num esgoto."


Diz-me que solidão é essa

Que te põe a falar sozinho
Diz-me que conversa
Estás a ter contigo


Diz-me que desprezo é esse
Que não olhas para quem quer que seja
Ou pensas que não existes
Ninguém que te veja
Que viagem é essa
Que te diriges em todos os sentidos
Andas em busca dos sonhos perdidos

Uhhhhh...
Uhhhhh...

Lá vai o maluco
Lá vai o demente
Lá vai ele a passar
Assim te chama toda essa gente
Mas tu estás sempre ausente e não te conseguem alcançar

Diz-me que loucura é essa
Que te veste de fantasia
Diz-me que te liberta
Que vida fazias

Diz-me que distância é essa
Que levas no teu olhar
Que ânsia e que pressa
Tu queres alcançar
Que viagem é essa
Que te diriges em todos os sentidos
Andas em busca dos sonhos perdidos
Uhhhhh...
Uhhhhh...

Lá vai o maluco
Lá vai o demente
Lá vai ele a passar
Assim te chama toda essa gente


Mas tu estás sempre ausente e não te conseguem alcançar

Mas eu estou sempre ausente e não conseguem alcançar
Não conseguem alcançar




.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Sebastião Antunes - Sabes, eu também!

Ainda que teime em achar-me a eterna criança, há momentos e passagens da vida que nos obrigam a bater com o nariz na parede do tempo. Numa de honra a este senhor poeta e cantor, dei por mim a lembrar o tempo que o ouvia gritar carambas à filha do carpinteiro e gelo ao constatar os vinte anos decorridos deste então!!! Bom, nada que uma sacudidela de ombros não espalhe e logo me dou por conta a agradecer a passagem dos anos só para chegar a isto... Há canções que eu gostava de ter escrito... esta é uma delas:


Sabes tu também by Sebastião Antunes on Grooveshark


Estava difícil combinar um café, mas desta vez lá foi
Talvez possamos falar do que já lá vai que as vezes ainda dói
Da coragem esquecida que já se perdeu
quem deixou por dizer foste tu ou fui eu
da lembrança guardada num canto qualquer
da palavra apagada por não se entender
e dizer-te num gesto mais enternecido
Sabes, eu também ando um bocado perdido.

Vou preparar-te um jantar, concerteza vou ser original
E vou escolher-te um bom vinho. Tu sabes, nunca me saí mal
Vou falar-te das voltas que a vida trocou
Das verdades que o tempo já entrelaçou
Entre sonhos queimados lançados ao vento
Entre a cor de um sorriso e o tom de um lamento
E dizer-te de um sopro empurrado pela sorte
Sabes, eu também ando um bocado sem norte

Olha, não fiz sobremesa. Deixa lá, fica para a outra vez
Vamos deixar mais um copo a falar dos quês e dos porquês
Uma historia que nos apeteça lembrar
Um episódio que nunca nos deu para contar
Um segredo guardado p’lo cair do pano
Um encontro marcado no cais do engano
E dizer-te na hora em que a voz fraquejar
Sabes, eu também me apetece chorar

E vou chamar um táxi. É hora p’ra te levar a casa
Era suposto um de nos nesta altura ficar com a alma em brasa
Mas a vida é assim, não aconteceu
Pouco importa dizer, foste tu ou fui eu
O que importa é o abraço que estava por dar
Há-de haver uma próxima e mais um jantar e
E dizer-te a sorrir já passa das três
Dorme bem, quem sabe … um dia talvez.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

intervalos


Na falta de algo para dizer...
Bob Acri preenche bem os espaços!!!

Sleep Away by Bob Acri on Grooveshark

sábado, 19 de novembro de 2011

Jazz for a Rainy Night in the City


according to Duke Wilbury...

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

piano


pressionar o play e deixar correr...

Piano by Eduardo Andrade on Grooveshark

terça-feira, 15 de novembro de 2011

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

vive, pequeno

Senta-Te Aí by Rio Grande on Grooveshark


olha, pequeno
olha adiante e conta o que vês
o que te espera, lá mais à frente
e diz à gente
sem timidez
sem medo de ser pungente
esquece isso de ser cortês

conta, pequeno
conta-me tudo com sentimento
descreve-me lá esse tempo
que te espera adiante
célere ou distante
se te tolhe o alento
se o futuro é cinzento
ou te deixa radiante

vai, pequeno
atira-te à vida
mesmo que dorida
não passes a vêz
desfruta a meninêz...
que se for sofrida
logo, vivida...
nunca será feia
nem verso em colcheia
será preenchida!!!


quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Hachiko

Não sou uma pessoa insensivel, aliás, longe disso, mas nunca entendí muito bem as choradeiras de cinema. Sempre apreciei a enfatização da sensibilidade humana no cinema mas nunca as histórias de amor e paixão me abalaram a alma ou sequer fizeram vidrar os olhos... O exemplo daquilo a que me quero referir em particular é o filme titanic: emocionou-me muito mais a personalidade do Capitão do navio e o romantismo da orquestra do que a historinha de amor paralela. Confesso que nunca me senti mal por isso porque me sinto equilibrado pela importância que dou a sentimentos que se assemelham mas diferenciam por avaliação de nobreza, e refiro-me à fraternidade mas muito mais a um sentimento que desconhecemos: O amor de um animal pelo seu dono!!! Ok... cheguei lá, era a isto que me queria referir. A partir daqui dispo todos os preconceitos e removo todas e quaisquer máscaras de solidez de sensibilidade para confessar que sim...
CHOREI BABA E RANHO ENQUANTO ASSISTIA A UM FILME!!!
E a culpa foi... de um cão!!! isso mesmo. um belo exemplar desses quadrúpedes carnívoros digitígrados e domésticos que têm a mania de nos amar incondicionalmente. Sim, incondicionalmente... pelo que me é dado a conhecer, é o único animal deste mundo capaz de amar o dono que lhe bate porque se sente grato em simplesmente ter um dono. São esquisitos não é? :-/
Hachi é um cão da raça Akita que Parker encontrou perdido  na estação de comboio por onde passava diariamente na deslocação para o trabalho. Apesar da inicial relutância da esposa, Parker afeiçoa-se ao pequeno canídeo e decide ficar com ele apaixonando-se completamente e cuja convivência faz de si um homem bem mais feliz. Como já estamos habituados, a resposta do canito não é na mesma medida, é exponencialmente maior tal como o amor que dedica ao seu novo dono e, por entre pérolas quotidianas que nos derretem, Hachi passa a ir diariamente esperar a "sua pessoa" à porta da estação até ao dia em que Parker morre e Hachi não entende, perdendo todos os dias dos 9 anos seguintes com a mesma rotina, esperançado na volta daquele por quem se apaixonou. Até à noite em que Hachi, já velhinho e dormindo debaixo do vagão que adotou posteriormente como lar, tem um pressentimento de que chegou a hora e vai, de madrugada, para a porta da estação que tão bem conhece. É aí que, na iminência de sua morte, Hachi adormece e sonha com a chegada de Parker... Juntos abraçam-se e beijam-se e seguem sozinhos pela rua fora... Hachi morreu aí... feliz!! O melhor de tudo é que o filme é baseado numa história real passada na cidade Japonesa de Odate. Hachi é Hachiko e a história foi tal e qual!!! ... lá, em frente à porta da estação, está a estátua de Hachiko a lembrar.




Este eu não recomendo... Censuro quem não o veja!!!

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

o beijo do sol

.
O maestro Pedro Osório tem um novo trabalho. Chama-se "Cantos da Babilónia" e, segundo o próprio,  é "uma série de peças baseadas em excertos de cantos tradicionais de diversos lugares de todo o mundo". Um trabalho soberbo que nos incha a alma e nos deixa à nora para escolher as palavras que melhor o caracterizem. Cantos da Babilónia é composto por dez temas cuja enorme diferença na origem foi trabalhada musicalmente de forma a resultar numa suavidade contagiante de início a fim e de onde destaco este:



A ficha técnica do trabalho, bem como os "samplers", no site da Antena1.
.

domingo, 6 de novembro de 2011

sempre por lá



Incursões solitárias à terra natal resultam sempre nestas passagens pelo campo da reflexão e a enorme inspiração artística que proporcionam.


.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Submotion Orchestra

Muito mais do que experiência lounge... os críticos dizem que apelidá-los de "lounge music orchestra" é bastante redutor. Concordo! Toda esta propositada complexidade e mistura de sons que à partida não casam roça a arte!!!
O álbum "finest hour" inteirinho aqui.






.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Bon Iver

.
Bon Iver tem uma voz fora do normal... eu não gosto da normalidade!


domingo, 23 de outubro de 2011

sábado, 22 de outubro de 2011

O romance de Diogo Soares, por Fausto Bordalo Dias

.
A propósito destes últimos dias...



«Diogo Soares
O grande general
Chamado "o Galego"
O homem dos olhares fatais
Comanda sessenta mil homens
De terras estranhas
Vencedo e lutando
Por quem paga mais
Eficaz nos sermões
Insinuante pois
Ganhou a simpatia
De príncipes e samurais
Já é governador
Do reino de Pegu
Mais forte do que o rei
Mais rico por golpes mestrais

Naquela cidade
Vivia um mercador
De nome Mambogoá
De fortuna sem fim
E naquele dia
O dia das bodas
Casava uma filha
Com Manica Mandarim
Diogo Soares passou por ali
Ao saber da festa
Felicitou noivos e pais
E a noiva tão linda
Ofereceu-lhe um anel
Agradecendo a honra
Por gestos puros e sensuais
Então o galego
Em vez de guardar
O devido decoro
Prendeu-a e disse-lhe assim:
"Ó moça formosa
És minha, só minha
A ninguém pertences
A ninguém, senão a mim"

O pai Mambogoá
Ao ver pegar o bruto
Tão rijo na filha
Ouvindo este insulto de espanto
Levantou as mãos aos céus
Os joelhos em terra
No retrato da dor
Pedindo e implorando num pranto
"Eu peço-te Senhor
Por reverência a Deus
Que adoras concebido
No ventre sem mancha e pecado
Não tomes minha filha
Não leves meu tesouro
Que eu morro de paixão
Que eu morro tão abandonado"

Mas Diogo Soares
Mandou matar o noivo
Que chorava abraçado
À moça assustada
Tremendo
E a noiva estrangulou-se
Numa fita de seda
Antes que a possuísse
À força o sensual galego
A terra e os ares
Tremeram com os gritos
Do choro das mulheres
Tamanhos que metiam medo
E o pai Mambogoá
Pedindo pelas ruas
Justiça ao assassino
Acorda a cidade em sossego:
"Ó gentes Ó gentes
Saí como raios
Na ira das chuvas
Na ventania do açoite
E o fogo consuma
Seus últimos dias
E lhe despedace
As carnes no meio da noite"

Em menos de um credo
Numa grande grita
P'lo amor dos aflitos
Juntou-se ao velho o povo inteiro
Com tamanho furor
E sede de vingança
Arrastaram-no preso
Diogo Soares ao terreiro
E o povo a clamar
Que a sua veia seja
Tão vazia de sangue
De quanto está o inferno cheio
E subiu ao cadafalso
Cada degrau beijou
Murmurando baixinho
O nome de Jesus a meio

Seu filho Baltasar Soares
Que vinha de casa
O qual vendo assim
Levar seu pai
Lançou-se aos seus pés a chorar
E por largo tempo abraçados
No abraço dos mortais
"Senhor porque vos levam
Cruéis e vingativos
Senhor porque vos batem
E porque vos matam medonhos?"
"Pergunta-o aos meus pecados
Que eles to dirão
Que eu vou já de maneira
Que tudo me parece um sonho"

E foram tantas pedras
Sobre o padacente
Que este morreu bramindo
O rosário dos seus pecados
Ensopado na baba
Do ódio dos homens
Escuma animal
De todos os cães esfaimados

As crianças e os moços
Trouxeram seu corpo
Sem vida pelas ruas
Arrastado pela garganta
E a gente dava esmola
Oferecida aos meninos
Dava como se fosse
Uma obra muito pia e santa

Assim terminam os anais
Do grande general
Chamado "o Galego"
O homem dos olhares fatais.»

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

plágio


um dia em que te pareça
ouvir frases desconexas
esquece, é a minha cabeça
vagueando em ideias complexas
alimentada por presunções convexas
de que talvez te mereça.
e desculpa ser tão profundo
mas sou apenas o instrumento
do sentimento
que move o mundo
desde os primórdios do tempo.

um dia em que te pareça
que me exprimo por pantomimas
sou eu, que não sou Pessoa nem Eça
e não me saem as rimas,
e se não sei dançar a valsa,
danço a polka, ou a salsa...
não te rias, por favor
é a minha forma de suplicar
tentativa de agradar
e conquistar
o teu amor.

maldita forma, dolorosa
porventura odiosa
de se entregar a alguém
de tentar chegar mais além:
à relação amorosa…

José Eduardo, 

plagiando o mais belo poema de um Senhor chamado Palma... 


Jorge Palma
.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Concha Buika

Filha de uma família oriunda da Guiné Equatorial, Concha Buika nasceu em Palma de Maiorca em 1972 e cresceu no seio de uma comunidade de Spanish Romani people (ciganos), o que lhe valeu o domínio do Cante Flamenco, como único elemento de ascendência Africana no seu meio. A sua música, particularíssima, é uma mistura da irreverência do flamenco e das coplas andaluzas com a leveza do soul e a complexidade do jazz.
Durante a década de 90, participou em vários projectos destacando-se a cooperação com o espetáculo Ombra, do grupo de teatro La Fura dels Baus ou a participação na banda sonora do filme Espanhol Km.0. Em simultâneo, foi fazendo uma incursão pela house music e compondo algumas canções para pistas de dança como: "Ritmo para você", "Up to the Sky" and "Loving You".
Entre novembro de 2000 e março de 2001, passou pelos casinos de Las Vegas onde interpretou e caracterizou Tina Turner e, nesse mesmo ano, participou como artista convidade no festival blue note, onde fez parceria com a artista  Rachelle Ferrell.
Sendo uma artista que aborda vários estilos musicais,  (flamencocoplajazzrumbasoul), e tendo ainda, como referenciado acima, composto e dado voz a temas para arranjos na house music, Concha Buika tem sido referenciada como uma das artistas com mais vivacidade e espontaneidade na cena musical Espanhola da actualidade.
O seu segundo álbum, Mi niña lola, é a prova dessa versatilidade incluindo tradicionais coplas espanholas (Mi Niña Lola, Ojos Verdes, Te Camelo), ritmos flamencos de “tanguillos” e “bulerías”, e acabando com a canção em flamenco-jazz fusion intitulada "love" e o tema original Jodida pero contenta”.
Já o seu terceiro, Niña de fuego, contrasta com a ideia anterior e é composto maioritariamente por canções (Coplas, Bulerías, Rumbas) compostas por Javier Limón, seu produtor artístico e pela própria Buika, juntamente com clássicas coplas Espanholas, a canção que dá nome ao álbum e ainda uma balada Mexicana.

Quando, certa vez, lhe pediram que se autocaracterizasse, respondeu:

 "I am bisexual, three-phase and three-dimensional."




Informações pesquisadas e retiradas da wikipedia, videos do youtube.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Céu - Sonâmbulo



Numa espécie de limbo
O sonâmbulo anda feito pêndulo
Ora pende dormindo, ora pende contra o tempo
E faz deste inimigo, atrasado, correndo
Justifica um vazio interno, imenso
Fugas mentais ocupam os pensamentos
E se torna incapaz de ocupar a si mesmo
TVs, zines, jornais, químicas num intento
Bloquear os canais
Domesticar seus anseios
Que é bom desconfiar dos "bons" elementos
Feito histórias de Moebius vão tirar sua visão
E te dar olhos passivos adequados ao padrão

terça-feira, 4 de outubro de 2011

decrementum


Estar só não é viver...
é pausar o sentimento.
é escrever sem o verbo ter,
é estar triste e sedento...
iminente no amor,
na dor,
e na ilusão...
efectivo criador
de sonhos
tamanhos
e da alma, a abcisão!

estar só não é morrer...
é prolongar a ferida
mortal 
sofrida
e pensar que jamais
possa vir o momento
morte ou advento
que acabe com o tempo
envolvido na dor
de viver tão triste
de viver sem amor!

José Eduardo


segunda-feira, 3 de outubro de 2011

lido

"Quando eu era pequeno, brincava com carrinhos à volta da mesa da cozinha. Fazia corridas e, embora fosse contra mim, os carrinhos que eu queria que ganhassem ganhavam sempre."


"Perguntei-lhe se ele já sabia que tinham inventado a música. Ele ficou um pouco surpreendido e contou-me de um país distante onde havia um palácio maior do que a montanha, um palácio rodeado de jardins tão imensos que, se uma criança os tentasse atravessar a pé, seria velha quando chegasse ao palácio. Contou-me que havia muitos anos, mil homens inteligentes se tinham fechado nesse palácio a tentar inventar a música."


Pérolas de sensibilidade humano-literária em "Uma casa na escuridão", de José Luís Peixoto

sábado, 1 de outubro de 2011

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

podia ser eu...

José Eduardo Andrade tem exatamente esta definição:

"A importância do meu nome muito maior do que a minha consciência, mas menor que eu, menor do que a importância de eu existir num sítio e num instante. O meu nome: três palavras escritas num papel: o nome do meu avô paterno, o nome do meu avô materno e o nome da família do meu pai. Duas estradas que se unem numa só, num caminho sempre em frente, sem ramificações."

José Luis Peixoto, em "Uma casa na escuridão"

Soas, por Cristina Pato e Rosa Cedrón

.
Apesar de seguidor do trabalho e da belíssima voz de Rosa Cedrón (continua a deslumbrar bem depois da experiência com Luar na lubre), nunca me chegam atempadamente as notícias de trabalhos novos desta belíssima violoncelista Galega amante dos bosques do baixo miño... Eis então que me deparo com esta belíssima surpresa: A também Galega pianista e gaiteira Cristina Pato juntou-se a Rosa Cedrón numa parceria musical etnográfica que resultou num trabalho lançado em finais do ano passado a que deram o nome de "Soas"... No meio de algumas composições inéditas, Rosa e Cristina pegaram em algumas canções tradicionais galegas, como Maria Solinha ou Unha noite na eira do trigo e adaptaram-nas para Voz, piano e orquestra...
O resultado é este, mais um álbum que ecoará continuamente nas paredes cá de casa nos próximos tempos...


. .

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

maris obviam





fui ter com ele
por saudade
e ouvir
com afinidade
sibilado
o grito pungente
imponente
revoltado
mantendo a imagem
que gosta de parecer
zangado...


Eu sei que não...
não é assim que o conheço.
É grande, imenso
quando nele penso
e na minha ideia
todas as memórias condenso
é disto que me lembro
da sua complacência
paciência
do vai-vem
engraçado
como quem
de tão viajado
apenas se contenta aqui...


...onde é amado!


José Eduardo
.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A viagem do elefante, José Saramago

Nas férias, cá por casa, comem-se livros ao invés de comida!!! É um vício que, como qualquer outro, tende a assumir custos imódicos se não controlado... Controlar então a leitura? nãã!!! Controla-se o preço de compra.
Comprei o livro num conhecido site de leilões online pela quantia de 10€, usado, mas em bom estado. Já está lido (estou de novo à volta de José Luis Peixoto) e foi mais do mesmo, foi Saramago... A narrativa segue inteiramente a linha de "Caim" e a forma intensa de brincar com a caracterização humana está tão presente como no anterior. É adoravel a forma como Saramago sempre colocava a sensatez do lado dos fracos e oprimidos (o cornaca Subhro é exemplo disso) e a sua condescendência para com as atitudes presunçosas dos ricos e poderosos atribuindo-lhes a característica como anomalia genética. Livro simples, de leitura facil, mas pleno de abordagem ao comportamento humano e, mais uma vez, elevando uma tal de sensatez nos animais.




sábado, 17 de setembro de 2011

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Histórias daqui e dali, de Luis Sepúlveda

.
Eu confesso, não conhecia, e jamais tinha lido algo de Luís Sepúlveda...  Começo assim porque a sinceridade é bela, e porque a beleza da escrita de Luís Sepúlveda me recorda apenas coisas boas. Durante a minha vida, habituei-me a gostar da riqueza literária na escrita, de textos estruturadíssimos que movem emoções e despertam sensações. Pois em "histórias daqui e dali" passa-se exatamente o contrário... Luís Sepúlveda usa um vocabulário directo e simples para contar histórias simples, mas plenas de sentimento! Luís Sepúlveda não romantiza de forma desnecessária, conta histórias de pessoas de quem gosta simplesmente porque lhe mostram gostar dele também... Luís Sepúlveda é homem de trato simples mas de vida complexa, exilado do regime de pinochet, dedicou toda a sua vida à lembrança do "camarada" Salvador Allende!!! Luís Sepúlveda conquistou um pedaço no meu terreno de predilecção... e deu-me a conhecer Edward, o cão que amava a liberdade!!!
.


terça-feira, 30 de agosto de 2011

arre tristeza




arre tristeza
que esta vida não te toca
olha só tanta beleza
onde apenas o pecado
e a bruteza
provocam amargos de boca.
arre tristeza
cuja envolvência odeio
pois me tolhes a ventura
e o sorriso
sem ternura
se evidencia de tão feio
arre tristeza
que te hei-de fulminar...
o sorriso vencerá
e a alegria,
um dia,
decerto virá
na ânsia de me afortunar
será chegada a minha vez
serei leve e voarei
sem lastro,
sem lei,
desfrutarei do amor
na máxima intensidade
o amor de verdade
e de ti, ó tristeza
lembrar-me-ei com franqueza
mas jamais sentirei saudade!!!